domingo, 1 de junho de 2014

ESTOU DE VOLTA PRO MEU ACONCHEGO!

Enfim, voltei pra João Pessoa!!!
Não via a hora de voltar a morar aqui, quanto tempo longe, quanta saudade junta. Foi uma via sacra este retorno, porque acima de tudo eu tenho um cargo público, e não era simplesmente dizer, vou embora. Teria a terrível transferência. Mas confesso, que olhando friamente, até que não foi difícil estar aqui. Na verdade , tudo começou a se desenhar no final do ano passado, com o termino do relacionamento com Joserlan, estar em Patos pós a conclusão da faculdade não fazia tanto sentido, afinal, nada me "prendia" mais a Patos. Então começaram os planejamentos para que eu enfim voltasse a morar em João Pessoa. A formatura seria em janeiro (Depois vou contar essa saga) e após a festa, em fevereiro eu estaria de férias e esse seria o mês de ir embora. Estava trabalhando em Patos a mais de um ano, tinha um chefe que não gostava de mim e achei que assim que eu fizesse o pedido de transferência, seria aceito imediatamente... Que ledo engano! Bem, em fevereiro sai de férias e o que eu fiz? Mudei!!! Sim, mudei de mala e cuia. Juntei todas as minhas coisas, paguei R$800,00 num frete e mandei tudo de valor que eu tinha pra João Pessoa. Minha amiga Noêmia me cedeu a sala de Jantar da casa dela como depósito para que eu armazenasse minhas coisas, e o básico eu levei para a casa de minha irmã, pois eu tinha decidido não alugar casa e já partir para a compra do meu apartamento. E fui viajar... Mas isso tb é assunto para uma outra postagem. E depois que as férias acabaram, estava transferida? Nunca não!!!! Não só meu chefe imediato não aceitou meu pedido, como fez recomendação de meus serviços e de que eu seria importante para o setor, não sendo possível minha transferência. (Um filha da P#$@) Então lá foi eu e minha mãe, fazer a via cruzes e bater de porta em porta atras de alguém que pudesse resolver esse meu problema. Abrindo um parentese aqui, neste ponto eu só tenho que agradecer a minha mãe pela força e suporte neste momento, eu muitas vezes quis esmorecer e ela não permitiu, foi comigo em vários lugares, bateu em todas as portas possíveis, se colocou a meu lado e ouso dizer, que se não fosse por ela, provavelmente eu estaria em Patos. Fiquei morando lá (Patos) e cá (João Pessoa) durante março, abril e maio, onde minhas filhas ficavam na casa da minha irmã, aos cuidados de minha mãe e eu ficava viajando e morando na casa de minha cunhada Vânia. nesse tempo, aprendi muita coisa, vivi muitos altos e baixos, senti muita saudade, me apaixonei, quebrei a cara, ri e chorei. Pela primeira vez na minha vida fiquei tanto tempo longe das minhas filhas e confesso que, não foi um período emocionalmente fácil, estive desesperada em alguns momentos. Em 30 de maio, enfim consegui ser transferida e me apresentei no novo regional no dia 1º de junho. pela primeira vez em muito tempo estava completamente feliz! Um reservatório, perto de casa, novos desafios, mas a certeza de que eu estava bem, perto de minhas filhas e de todos que amava. Me tornei uma pessoa melhor, me senti realizada e apesar de toda a adversidade, valeu a pena. um bjo Cacau Monteiro